| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Leo Cunha - Literatura infanto-juvenil
Desde: 22/12/2003      Publicadas: 217      Atualização: 28/05/2015

Capa |  Biografia de Leo Cunha  |  Entrevistas  |  Fortuna Crítica  |  Galeria  |  Livro a Livro  |  Notícias  |  Oficinas  |  Opinião  |  Poemas Animados  |  Prêmios  |  Teoria  |  Todos os Livros  |  • Contatos


 Livro a Livro

  06/01/2004
  0 comentário(s)


Nas páginas do tempo

Texto: Leo Cunha


Capa: Fernando Fiúza


Editora Nova Fronteira


1a. edição: 1997


Edição atual: 4a.

64 págnas

Nas páginas do tempoSobre o livro:


A poesia é uma espécie de crônica da Eternidade, disse uma vez o Mário Quintana (sempre ele!). Olhando do lado de cá, imagino se a crônica não seria, também, uma espécie de poesia. A poesia do cotidiano. Do prosaico.





O cronista tece suas linhas com os pequenos detalhes. Essas coisinhas que a gente vê na rua todo dia e uma hora, de repente, a gente presta atenção. Acontecimentos que passam despercebidos pra todo mundo à sua volta, mas que você, por acaso, dá importância. O bonito que não era. O emocionante que nem tanto. A graça destinada, sem tino, sem motivo.





Este livro reúne 20 das crônicas que publiquei no jornal "O Tempo", de BH, entre 96 e 97.





Trecho:


Minha falta de cultura bíbilica provocou equívocos ainda maiores. Por incrível que pareça, eu tinha certeza absoluta de que Nossa Senhora era uma exímia passadeira de roupa. Passadeira? Pois é, à primeira vista parece absurdo. Mas eu tinha lá os meus motivos...





Todo ano, quando ia chegando a Semana Santa, ou Corpus Christi, a vizinhança inteira começava a revirar as prateleiras, as gavetas, as velhas arcas e baús, em busca de panos bordados e toalhas rendadas. Depois dependuravam aqueles panos todos na janela, transformando minha rua num lindo varal enfeitado.





Eu via aquela cena e ficava intrigado:





" Pra quê que o povo põe os panos do lado de fora das janelas? " perguntava.





E me respondiam sorrindo:





" É pra Nossa Senhora passar.





Que mulher maravilhosa, essa Nossa Senhora, eu pensava, encantado. Além de ser mãe de Jesus, ainda passava a roupa do bairro todo!...





Opinião:


"Fala com muita desenvoltura de temas como a doação de órgãos, filmes famosos, literatura ou seriados da TV. Leo Cunha é um poeta do cotidiano, que capta com sua retina cinematográfica detalhes do dia-a-dia que, muitas vezes, passam despercebidos pela maioria das pessoas. É o próprio cronista ligado ao seu tempo." Maria de Lourdes Reis , no jornal Diário da Tarde.





"São crônicas que falam de um homem atento ao seu tempo, ao seu país, à sua subjetividade. Com conteúdo de cunho social e humano, as crônicas são bem humoradas, oscilando entre o sarcasmo e a ironia." Virgínia Heine, no Brazilian Book Magazine.





Prêmios


Altamente Recomendável para o Jovem, pela FNLIJ




  Mais notícias da seção Crônica no caderno Livro a Livro
09/05/2012 - Crônica - Videntes - e outros pitacos no cotidiano
Texto: Leo Cunha Capa: Mozart CoutoEditora Melhoramentos 1a. edição: 2012 ...
22/08/2011 - Crônica - Ninguém me entende nessa casa!
Texto: Leo CunhaIlustrações: Rogério Soud Editora: FTD 1a. edição: 2011120 páginas...
19/04/2004 - Crônica - Manual de Desculpas Esfarrapadas
Texto: Leo Cunha Ilustração: Daniel Kondo Editora FTD 1a. edição: 200496 páginas...



Capa |  Biografia de Leo Cunha  |  Entrevistas  |  Fortuna Crítica  |  Galeria  |  Livro a Livro  |  Notícias  |  Oficinas  |  Opinião  |  Poemas Animados  |  Prêmios  |  Teoria  |  Todos os Livros  |  • Contatos
Busca em

  
217 Notícias


Todos os Livros
 

Literatura

 

Livros por ordem de lançamento

 

Por título

 

Minha obra, de A a Z

 

Por ilustrador

 

Muito mais do que desenhos

 

Coletâneas

 

Bem acompanhado

 

Por gênero

 

Poesia, prosa, crônica e teatro